sábado, 10 de outubro de 2009

O renascer do novo eu


“Em prisões baixas, tempo era inimigo.
Erros meus, que serviram de corrente.
Ira nasce, massacrando esse castigo.
Jaz minha vida, pois começo novamente.”

Bom, cansei de estar em casa observando as texturas da parede (quem nunca!). Medo de viver? Jamais! Farei mais do que fechar-me num casulo e enclausurar-me para o mundo. O mesmo sentirá a minha presença! 

Pouco a pouco morfo minha maneira de pensar, exploro novos ângulos e a perspectiva de um mundo menos puritano. Pois é, o mundo é cruel e devemos abrir os nossos olhos para isso, mas ainda há um mundo belo e de infinitas oportunidades.
Estou a caminho de descobrir quem realmente sou, e isso, é uma constante. A vida é uma grande e eterna lição e podemos aprender dia-a-dia com a mesma. Expressar-me-ei o verdadeiro eu, apertar a tecla "f*da-se" e ser, talvez, indiferente com segundas opiniões (o que às vezes faz bem). Apartir de hoje arriscarei bem mais, vou trocar o certo pelo duvidoso, pegar carona numa cauda de cometa, seguir um rumo sem direção, desafiar o imprevisto, e depois, fazer riso de minhas conquistas.

Como dizia o poeta: - “Nasci careca, pelado e sem dente, o que vier é lucro!”

Um comentário:

  1. A vida sempre nos envia barcos, cometas, aviões...mas muitos ao invés de se arriscar em novas direções e virar exímios viajantes, preferem ser apenas pequenos observadores, formigas aos olhos de quem se arriscou.

    Seja um viajante ;]

    ResponderExcluir